21/12/2012

Morri!

Confesso não entender quase nada sobre esse negócio de morrer. Até porque, graças ao providencial “Véu do esquecimento” não tenho nenhum registro confiável das minhas vidas pregressas e muito menos de como elas terminaram. Mas, considerando-se o que pude perceber até agora morrer não é muito diferente da realidade.

Despertei hoje, dia do fim do mundo segundo o calendário maia, com a nítida sensação de que as coisas estavam como sempre estiveram: saudei minha mulher com a mesma alegria, o mesmo beijo e o mesmo prazer de todas as manhãs, lavei o rosto, tomei café e fui pra varanda, onde sempre fumava a meu primeiro cigarro, deliciando-me com os pássaros que disputavam as frutas do comedouro.

As montanhas, casas e matas estavam todas no mesmo lugar. Até os ruídos eram iguais. Inclusive, o daquele Fiatzinho Uno, caindo aos pedaços, que passava por aqui com um funk pra lá de berrado: “Será que nem depois de morto essa anta vai parar de ouvir esse troço?”

Então, se morrer é isso, devo admitir que estou gostando. E digo mais: é bem diferente daquele horror que os apologistas do caos ensinaram nas Santas Escrituras: “Os vivos invejarão os mortos!”

Como fui dormir dopado acabei não percebendo se o mundo acabou por conta da colisão de um mega meteoro ou se o super vulcão das Ilhas Canárias mandou tudo pro espaço e o tal tsunami chegou às costas brasileiras com ondas de mais de cem metros de altura, como previu o Discovery. Seja como for, morri tendo bons sonhos e acordei com a nítida sensação de estar vivo. Aliás, por falar em dopado, não sei se devo ir à sessão de radioterapia de hoje à tarde... até porque se estou morto isso não vai fazer muita diferença.

Sei não, mas, pelo que pude ver até agora, das duas uma: ou morrer com o fim do mundo é uma coisa muito mais agradável do que nos ensinou a Igreja Católica ou os maias, quando faziam seu famoso calendário ficaram sem giz justo no dia 21 de dezembro de 2012.

Anderson Fabiano

Imagem: Google

8 comentários:

Flor.MCecilia disse...

kkkkkkkkkkkkkkk Ficou sem Giz eitaaa,é que lá não tinham ainda a famosa BIC,econômica.Morri,Morri de rir com esta crônica bem humorada.Valeu amigo,espalhando alegria aos leitores amigos.Bjus\Flor*

Ana Miranda disse...

Ou a tinta acabou ou deu preguiça em quem estava fazendo o calendário...

Caramba ele chegou até 20/12/12. Haja braço para escrever tanto, viu?!

Parabéns pela excelente crônica, meu amigo!!!

mhelena disse...

E continuamos vivos... Mas para quem como eu, entende a morte como uma grande libertação, morrer só pode ser bom!!!Abraços

Anônimo disse...

Excelente!!!Sr. Anderson Fabiano. Excelente! Eu o acompanho através da Maria Helena Sleutjes.

HELOISA disse...

ola querido e especial amigo FABIANO...desde sempre que ouço que o mundo vai acabar, que o fim vai ser nessa ou em outra data!Fim do mundo, querido amigo, sáo algumas crueldades que a humanidade comete com irmáos menos favorecidos...como fome, violencia, exploraçoes, no mais nossa vidinha continua na mesma toada...e que venha 2013!!! bjos saudosos

Jorge Sader Filho disse...

Um dia, fazer a longa viagem... Tem alternativa? Não, não tem. Então, só nos resta aceitar o convite da Velha Senhora, quando chegar nosso dia.
Feliz Natal, amigo Fabiano.
Saúde, grande abraço.
Jorge

Gaivotadourada22 disse...

Amigo Fabiano...

Também "Morri" aqui... De rir... Ainda não foi desta vez que o mundo se acaba... Penso até que seria tudo muito fácil, acabar assim num repente...rsrsrsrs Que nada, vamos ainda continuar a destruí-lo aos poucos e lentamente...
Adorei!!!
Abraços, e já que o mundo não acabou... Um Feliz Natal e um Ano Novinho Cheio de Amor e Paz juntamente com a Lê!!!

Allan Robert P. J. disse...

O tal calendário foi esculpido numa pedra de forma circular. O último espaço disponível foi ocupado pelo 21 de dezembro de 2012. As outras pedras foram usadas como mesas de um bar mexicano.

:)